Últimas Notícias

Ricardo Barros disse que vai "enquadrar" a ANVISA porque o Brasil tem pressa na aprovação de vacinas

 


O deputado federal Ricardo (PP-PR), líder do governo Bolsonaro na Câmara, defendeu nesta quinta-feira (4) mais agilidade na aprovação de vacinas contra a covid-19 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Segundo Ricardo Barros, não faz sentido a imposição de uma série de exigências se as vacinas já foram analisadas por agências internacionais e estão sendo utilizadas para a imunização. 

A declaração gerou resposta do presidente da agência, que foi a veículos de imprensa expor o mal-estar à situação e respingou mesmo no presidente da República.

Ricardo Barros, alegou que a agência tem pecado na demora à liberar vacinas como a russa Sputnik. "O presidente Barra Torres [Anvisa], realmente faz um bom trabalho lá, o servidor da Anvisa tem muita qualificação, mas é preciso mais agilidade", afirmou Ricardo Barros em entrevista à CNN.

De acordo com o deputado, uma das mudanças a ser analisadas no Congresso é o aumento da lista de agências reguladoras estrangeiras que integram um protocolo mais ágil de aprovação de vacinas contra o novo coronavírus no Brasil.

O deputado disse que o presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, sabe que o processo precisa ser agilizado e que a agência fará isso.

"Eu entendo que ele [Barra Torres] queira defender o seu corpo técnico, mas o Brasil tem pressa", disse. Barros ponderou que as mudanças nos protocolos serão feitas dentro de todos os critérios de segurança, mas ao jornal O Estado de S. Paulo, Barros destinou palavras mais fortes: "Eu vou tomar providências, vou agir contra a falta de percepção da Anvisa sobre o momento de emergência que nós vivemos. O problema não está na Saúde, está na Anvisa. Nós vamos enquadrar"

Ainda durante à noite, Barra Torres rebateu as acusações de Ricardo Barros. "Lamentavelmente, hoje, eu tenho uma coletividade muito entristecida por ameaças de enquadramento", disse Barra Torres à GloboNews, referindo-se aos servidores da casa. "Qualquer um que tenha acompanhado o noticiário tem visto o trabalho da agência, que está no contraponto de tudo isso que o eminente deputado colocou."

O presidente da agência também disse ao jornal Estado de S. Paulo que ou o líder do governo denuncia o que considera como problemas da Anvisa nos canais competentes, ou se retrata.

A treta gerou comentários inclusive do presidente da República, Jair Bolsonaro. Em sua live semanal, Bolsonaro saiu em defesa da Anvisa, e disse que "uma agência não pode sofrer pressão de quem quer que seja", referindo-se à fala de Ricardo Barros.

Hoje, apenas vacinas já aprovadas por ao menos uma de cinco agências (Europa, Canadá, Japão China e Estados Unidos) podem ter o pedido de submissão agilizado pela Anvisa.

De acordo com Ricardo Barros, o plano é ampliar a lista para vinte países. Além disso, afirmou o líder do governo, os prazos para aprovação do uso emergencial ou definitivo dos imunizantes também devem ser reduzidos.

Nesta quarta-feira (3), a Anvisa anunciou mudanças nas regras para liberação de uso emergencial de vacinas contra a covid-19, o que já deve acelerar a aquisição de imunizantes pelo Brasil.

Nenhum comentário